domingo, novembro 29, 2009

Somostodosum



Somos todos um, não há dúvida !

No dia a dia, faço um esforço para estar vigilante face às minhas caracteristicas. Nomeadamente há dois defeitos que por mais que me tente dominar, estão sempre latentes e pulsantes.


Falta de Compaixão e Disciplina.


Tenho uma terrivel dificuldade em sentir compaixão pelas "asneiras", "comportamentos ácidos", "batidelas de cabeça na parede" quando essa inconsciencia prejudica outras pessoas! Facilmente a ira toma conta de mim, e o meu lado "zorro", guerreiro samurai controla a situação. Só tenho vontade de desancar a pessoa, mostra-lhe a um grande espelho ampliado que o seu egoismo esmaga o outro. Não consigo perceber como a sensibilidade, que mora em todos nós, não pode falar mais alto! E porquê tenho esta falta de compaixão??? Porque também a tenho para comigo quando falho para com alguém. Se magou alguém, sou insensivel injustamente, esse comportamento massacar-me a mente, dias, semanas, meses. Por mais que tente dizer a mim própria: é normal, és humana, no fundo da minha consciência sinto a critica como um espinho agudo que me alerta para ter mais cuidado! Que me faz sentir vergonha da humanidade que mora em mim!


Depois, cada vez mais, revejo-me nos outros: afinal somos todos um! As graças e fraquezas humanas habitam em todos nós! Uns vitimizam-se outros responsabilizam-se e procuram mudar.


Sou forte e tenho muita energia para provocar a mudança mas também sou frágil e por vezes só me apetece desaparecer... No fundo, espero sempre que a vida seja O Fabuloso Destino da Amélie mas....não é! E tem uma dureza para a qual não estou preparada e se calhar nunca estarei. Os poetas, os liricos e os sensiveis são sempre "outsiders", moram do lado de lá da outra margem da vida. Carregam como um caracol às costas o peso da diferença e nem sempre é fácil torná-la leve!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Que raio de noção temos nós da vida para, por exemplo, quando morre alguém, passado 5 dias tratar de papéis, faltas, burocracia? Somos robots? Máquinas que desligam emoções e continuam mecanicamente a produzir?


Que raio de noção temos nós de vida para, por exemplo, sermos coniventes com a guerra, a fome, as doenças , as desigualdades sociais?


Que raio de noção temos nós de vida para, por exemplo, não abraçarmos mais, não chorarmos mais, não acolhermos a diferença do outro em nós?


Chove muito lá fora e dentro de mim também...

1 comentário:

fernando.dionisio disse...

Tenho o teu blog no meu RSS. Leio habitualmente o que escreves. Senti "inveja" de ti :) gostava de ter escrito o teu texto. Coloquei um link no meu Facebook, para o teu texto.
Gostei !!!!!